• Jesus é o Senhor!

    A Igreja é o Corpo de Cristo

    O justo viverá pela fé

  • Artigos

    A Salvação da Alma

    A Salvação da Alma

    Watchman Nee




    O ponto principal dessa porção da palavra é que há dois tipos de discípulos que creram no senhor e têm vida eterna. Um nega a si mesmo e toma a cruz; o outro não está disposto a negar-se e a tomar a cruz.


    Capítulo 1

    O assunto que desejamos abordar neste livro se relaciona a uma questão à qual não se dá atenção. Trata-se da Salvação da Alma. Em relação à salvação, devemos enfatizar que há uma grande diferença entre o espírito e a alma. a primeira epístola aos Tessalonicenses 5:23 diz?vosso espírito, alma e corpo?. Essa palavra divide claramente o homem em três partes. Falando de maneira simples, o espírito é a parte que tem comunhão com Deus. Os animais inferiores não têm espírito, portanto eles não podem contatar Deus. a alma é o órgão do pensamento, da vontade e da emoção do homem. Os animais inferiores também têm essa parte. A alma é a vida que temos como a de um animal. O corpo é a parte do homem que se comunica com o mundo material. O homem é formado por três partes: espírito, alma e corpo; portanto o significado da salvação é que as três partes precisam ser salvas.


    A primeira Epístola aos Coríntios 5:5 diz a fim de que o espírito seja salvo no dia do Senhor [Jesus]. Esse trecho fala da salvação do espírito. Romanos 8.23 diz: A redenção do nosso corpo Esse, fala da salvação do corpo. No entanto, agora, queremos analisar a salvação da alma. Veremos cuidadosamente todas as passagens no Novo testamento em que é mencionada a salvação da alma, de maneira que possamos entender o que é a salvação da alma e qual o seu significado.


    Mateus 16.24


    Então, disse Jesus aos seus discípulos: se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quer salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á. pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca de sua alma? Porque o Filho do homem há de vir na glória de Seu pai, com os seus anjos, e, então retribuirá a cada um conforme as suas obras. Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui se encontram, que de maneira nenhuma passarão pela morte até que vejam vir o filho do Homem no seu reino.


    Então disse Jesus aos seus discípulos: Por essa palavra, sabemos que o Senhor Jesus falou as palavras seguintes aos seus discípulos e não a estranhos. Uma vez que eles eram discípulos, eles eram pessoas salvas.
    Portanto, devemos nos lembrar de que as palavras seguintes foram faladas aos santos que já foram salvos, não a pecadores que ainda não foram salvos.


    Se alguém quer vir após mim. Alguém significa uma pessoa entre os salvos que quer ir após o Senhor. alguém se refere ainda aos discípulos salvos, aqueles que particularmente desejam seguir o Senhor. As palavras vir após mim indicam que as palavras a seguir são as condições para seguir o Senhor.
    A si mesmo se negue. Negar a si mesmo não significa conquistar o ego. Não significa ignorar a si mesmo ou renunciar a seus direitos. Negar o ego significa não seguir a própria mente em todas as coisas e não se considerar o centro. Significa colocar-se à parte e buscar a mente de Deus. O Senhor diz que somente esse tipo de pessoa pode ir após Ele. Isso é muito óbvio, porque, para seguir o Senhor, certamente não se pode seguir a si mesmo.


    Tome a sua cruz e siga-me. Isso é ainda profundo que negar a si mesmo. Negar a si mesmo é esquece a si mesmo, mas tomar a cruz é submeter-se a Deus. Tomar a cruz é aceitar tudo que Deus preparou e estar disposto a sofrer segundo a vontade de Deus. Se negarmos o ego e tomarmos a cruz seremos capazes de seguir o senhor.


    Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa, achá-la-á, A palavra vida é psique no texto original, palavra essa que significa alma. Esse versículo fala de se salvar e perdera própria alma. isso verte luz sobre a questão que vamos examinar.


    Porquanto é uma continuação do que foi dito anteriormente. A palavra porquanto nos mostra que negar o ego e tomar a cruz para seguir o Senhor no versículo anterior é o mesmo que salvar e perder a alma falada aqui.


    Porquanto, quem quiser salvar a sua vida da alma significa que, mesmo que uma pessoa queira seguir o Senhor, ela não está disposta a negar a si mesma e tomar a cruz. A partir disso, podemos entender até certo ponto o significado de salvar a própria alma. Significa ser incapaz de desprezar-se, ou de renunciar a seus direitos; significa ser incapaz de permitir-se sofrer e submeter-se a Deus. Essa palavra nos mostra que salvar a alma é o oposto de negar o ego e tomar a cruz. Portanto, se um homem entende o que é negar-se a si mesmo e tomar a cruz, ele entende o que é salvar a alma.


    O Senhor nos diz que se um homem cuida demasiadamente de si mesmo e não está disposto a negar a si mesmo, tomar a cruz, sofrer, ou submeter-se a Deus, o resultado final de salvar a sua alma será perdê-la.

    Perder a alma significa sofrer no final, perder o que lhe dá prazer e não receber o que lhe agrada.


    Quem perder a vida da alma por minha causa denota o negar a si mesmo e tomar a cruz, referidos acima. perder a alma é o mesmo que negar a si mesmo. O Senhor reconhece que se um homem estiver disposto a abandonar todos os prazeres da alma por amor a Ele e a sofrer segundo a vontade de Deus, ele achará sua alma. Isso significa que todo aquele que estiver disposto, por amor ao Senhor, a renunciar à sua própria mente e àquilo que lhe dá prazer, a proibir seu coração de achar satisfação nas coisas do mundo, e a suportar muita dor e sofrimento, o Senhor o fará ganhar o que agrada ao seu coração, obter satisfação, desfrutar bênção e tornar-se feliz em outra ocasião.


    Depois de ler o versículo acima, sabemos qual é o significado de salvação da alma. Esse versículo nos mostra que salvação da alma significa alegrar a alma, seguir os desejos do coração e ganhar satisfação. Perder a vida da alma significa privar-se de alegria, não seguir os desejos do coração e não ter satisfação.
    Portanto, perder a alma definitivamente não é o que normalmente se chama de perdição. O Senhor Jesus mostra que salvar a alma significa não estar disposto a negar a si mesmo e a tomar a cruz. É claro que isso não está relacionado ao que normalmente conhecemos como salvação e perdição.Se salvar a alma significa ganhar vida eterna, por que o Senhor Jesus diz que se deve perder a alma por Sua causa? Se perder a alma significa ir para o lago de fogo, seria concebível que o Senhor Jesus quisesse que fôssemos para o lago de fogo por Sua causa, quando nos disse para perder a alma? Portanto, esse versículo não se refere absolutamente à questão de ganhar vida eterna ou ir para o lago de fogo. Perder a alma na primeira parte do versículo deve significar o mesmo que perder a alma na segunda parte do mesmo versículo. Se considerarmos que quem quiser salvar a sua vida da alma perdê-la-á significa que todo aquele que não negar a si mesmo irá para o lago de fogo, então no restante do versículo, quem perder a vida da alma por minha causa achá-la-á teria que significar que quem for para o lago de fogo por causa do Senhor achará a vida eterna. Isso é um absurdo. Portanto, o significado é simplesmente que se um cristão não deixar que sua alma (seus sentimentos) sofra, ela certamente sofrerá no futuro. Se ele estiver disposto a deixar a sua alma sofrer por causa do Senhor, no futuro ela certamente não sofrerá.


    Ademais, se salvar a alma significa ganhar a vida eterna e perdê-la significa ir para o lago de fogo, o que o Senhor Jesus diz não está relacionado com o que foi dito anteriormente. Essa palavra foi falada aos discípulos que já tinham a vida eterna. Além disso, um não cristão jamais poderia negar a si mesmo, tomar a cruz e seguir o Senhor. Se o Senhor quisesse que eles ganhassem a vida eterna, Ele certamente teria dito a eles que cressem; Ele absolutamente não lhes teria dito para negar a si mesmo com o fim de ganhar a vida eterna. Somente alguém que já ganhou a vida eterna tem possibilidade de negar a si mesmo, tomar a cruz, e seguir o Senhor. O que um pecador, que não tem a vida eterna, deve fazer, não é seguir o Senhor, mas crer Nele para que possa ganhar a vida eterna.


    Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma ou que dará o homem em troca de sua alma? Nosso Senhor continua a falar da inutilidade de um homem perder sua alma poupando-a. Ele quer dizer que se um homem não negar a si mesmo, tomar a cruz e segui-lo de perto, mas agir segundo os prazeres de sua alma a fim de dar satisfação a ela, mesmo que ganhe todo o mundo, virá o momento em que ele perderá sua alma. Um ganho momentâneo da alma com o resultado de perdê-la no fim é inútil aos olhos do Senhor. Embora um homem possa obter muita satisfação indo após seus desejos, o Senhor diz que no fim ele perderá sua alma e toda a satisfação. Segundo o Senhor, ganhar a alma no fim é muito melhor que ganhá-la no início. Ele diz que não há nada que o homem possa trocar pela satisfação final da alma. Isso significa que é preferível que o homem perca sua alma antes do que depois.


    O Senhor nos diz que todo aquele que quiser salvar sua alma perdê-la-á. Quando a perderá? Se um homem salvar sua alma agora,quando ele a perderá? O Senhor diz que todo aquele que perder sua alma por causa Dele, achá-la-á. Quando isso ocorrerá? Para responder essa pergunta,Ele prossegue: Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu pai, com os seus anjos, e, então retribuirá a cada um segundo as suas obras.


    Suas obras significam seus feitos nesta vida. Suas obras podem ser divididas em dois aspectos: salvar sua alma nesta vida e perder sua alma nesta vida por causa do Senhor. Retribuir a cada um conforme as suas obras é fazer com que aqueles que pouparam sua alma a percam e que aqueles que perderam sua alma por causa do Senhor a achem. Segundo a palavra do Senhor, quando é que aquele que salva sua alma perdê-la-á e o que a perde por causa do Senhor achá-la-á? Ele diz que será por ocasião de Sua vinda. Portanto, precisamos ver claramente que se um homem se importa consigo mesmo agora, se alegra e não está disposto a sofrer pelo Senhor, na vinda do Senhor será repreendido por Ele, não obterá a glória do Senhor e poderá até chorar e ranger seus dentes. Se um homem está disposto a abandonar seus direitos agora, ser totalmente separado deste mundo, e fielmente submeter-se à vontade de Deus, por ocasião da vinda do Senhor ele receberá louvor do Senhor, desfrutará o gozo do Senhor, e será plenamente satisfeito em seu coração e mente.


    A vinda do senhor e Sua recompensa se referem particularmente à Sua realeza no reino, porque, depois de nos falar de Sua vinda, ele nos diz onde será Sua vinda. O Versículo 28 diz: Vir o filho do homem no seu reino. Portanto, o Senhor quer dizer que quando Ele vier para a terra para ser rei por mil anos, alguns reinarão com Ele, mas outros não.


    O ponto principal dessa porção da palavra é que há dois tipos de discípulos que creram no Senhor e têm a vida eterna. Um nega a si mesmo e toma a cruz; o outro não está disposto a negar-se e tomar a cruz. Estes últimos, buscando os prazeres do mundo para o ego, não estão dispostos a perder sua alma; os primeiros estão dispostos a abandonar tudo e perder sua alma por causa do Senhor. Um discípulo é uma pessoa separada dos pecadores. Mas o Senhor separa os discípulos que negam a si mesmo dos que não o fazem. Devemos saber que nossa posição futura no reino será determinada pelos nossos atos hoje. O que é ganho hoje, em natureza, é o mesmo que será ganho no futuro. O que se perde hoje, em natureza, é o mesmo que se perderá no futuro. Se o Ganho hoje significa ganhar o mundo e negar o sofrimento, então, o ganho futuro deve ser ganhar o mundo e a libertação dos sofrimentos. Se a perda de hoje significa abandonar o mundo e negar a própria vontade, então a perda futura também deve ser perder o mundo e não ter satisfeita a própria vontade. O Senhor quer dizer que todo aquele que recebe agora plena satisfação do mundo, perderá sua posição reinante com o Senhor no futuro. A partir disso vemos que a salvação da alma é muito diferente daquilo a que normalmente nos referimos como salvação do espírito (que significa a salvação para ganhar a a vida eterna).


    Como o espírito é salvo? O que é nascido do Espírito é espírito (Jo 3:6). João 3 nos diz que quem crê (...) tem a vida eterna (v.36) Uma vez que alguém crê, seu espírito está salvo. Portanto, salvação do espírito significa ganhar a vida eterna. Como a alma é salva? Essa porção da palavra nos diz que somente quando alguém perde sua alma por causa do Senhor, é que é salva. A salvação do espírito é ganhar a vida eterna, enquanto salvação da alma é ganhar o reino.


    Meu espírito é salvo por Jesus ter carregado a cruz por mim, ao passo que minha alma é salva pelo meu tomar a cruz. O meu espírito é salvo porque Jesus negou a si mesmo por minha causa, enquanto minha alma é salva por eu negar a mim mesmo e seguir o Senhor.
    A salvação do espírito está baseada no crer. Uma vez que alguém crê, a questão fica resolvida para sempre e não pode ser mudada. a salvação da alma, entretanto, depende de algo que se processa durante toda a vida, de uma jornada percorrida.


    A salvação do espírito é baseada na fé, porque quem crê (...) tem a vida eterna (Jo 3.36). A salvação da alma é baseada em nossas ações, porque Ele retribuirá a cada um conforme as suas obras (Mt 16:27). Mesmo que todos os demônios se levantem do inferno para me confundir, eles não podem me levar à perdição eterna, e mesmo que todos os anjos desçam do céu para me afligir, eles também não podem me fazer perecer eternamente. Até mesmo o próprio Deus Triúno não pode me fazer perecer. Uma vez que meu espírito é salvo, a vida eterna está garantida. Mas a salvação da alma não pode ser resolvida hoje; ela só será ganha quando da segunda vinda do Senhor.


    A salvação do espírito é um fato experimentado hoje, pois uma vez que o homem crê, ele tem a vida eterna. A salvação da alma será experimentada por ocasião da vinda do Filho do homem.


    A salvação do espírito é o dom da graça hoje porque Deus amou o Mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito (Jo 3.16). A salvação da alma é um galardão. É uma recompensa ganha por ocasião da segunda vinda do Senhor, por aqueles que O seguem fielmente por toda sua vida.


    Para que a alma de uma pessoa seja salva, esta deve ser alguém cujo espírito já foi salvo. Se o espírito não for salvo, não é possível que a alma seja salva. Sempre falamos da salvação do espírito-alma (uma expressão idiomática chinesa); na verdade, segundo a bíblia, trata-se da salvação da alma.

    Marcos 8.31-38

    O registro em marcos 8.31-38 é em sua maior parte igual ao de Mateus, mas há uma pequena diferença, que será mostrada agora.


    Quem perder a vida por causa de mim e do evangelho, salvá-la-á (v.35). Aqui foram acrescentadas três palavras: "e do evangelho". A maioria das pessoas pensa que isso se refere aos que pregam o evangelho pelo Senhor. Mas se esse fosse o caso, isso não significaria que somente a alma dos pregadores seria salva? O versículo não diz: e da pregação do evangelho, mas diz e do evangelho. Que evangelho é esse? É o evangelho falado em marcos 1:1: O evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. Esse evangelho é a grande salvação mencionada em (Hb.2:10). Não é o evangelho de deixar o Egito e ser libertado da escravidão do pecado; é o evangelho de entrar em Canaã para receber glória.


    Perder a vida por minha causa (Mt 16:25) é o resultado de ser constrangido pelo amor. Perder a vida da alma por causa (...) por causa do evangelho (Mc 8.35) é para o bem do próprio futuro da pessoa, que é por causa do reino.


    Porque qualquer que, nesta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras (Mc 8.38).

    Isso indica que aquele que não está disposto a perder sua vida da alma, não está disposto a sofrer pelo Senhor e por suas palavras nesta era. Em uma geração adúltera e pecadora, dar testemunho das palavras do Senhor, sem dúvida, exige que se perca a alma, não se pode, em tal geração, testemunhar do Senhor, muito menos desavergonhadamente dar testemunho Dele. Muitos dos filhos de Deus nunca estão dispostos e tampouco ousam testemunhar diante dos homens, do Senhor que os comprou. A razão é que eles querem salvar sua cara e temem ser ridicularizados pelos outros. Isso é salvar a própria alma nesta vida. Tal pessoa definitivamente sofrerá perda na época do reino. Todo aquele que não estiver disposto a perder sua alma nesta era, não verá a glória do Senhor. Todo aquele quiser ser um co-rei com o Senhor terá de perder sua alma. Todo aquele que perde sua alma nesta era achá-la-á na era vindoura.

    Lucas 17.26-37


    Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do filho do homem: comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e destruiu a todos. O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu todos. Assim será no dia em que o filho do homem se manifestar. naquele dia, quem estiver no eirado e tiver seus bens em casa não desça para tirá-los; e de igual modo quem estiver no campo não volte para trás. lembrai-vos da mulher de Ló. Quem quiser preservar a sua vida perdê-la-á; e quem a perder de fato a salvará. Digo-vos que, naquela noite, dois estarão numa cama; um será tomado, e deixado; duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e deixada a outra. dois estarão no campo; um será tomado, e o outro deixado. então, lhe perguntaram: Onde será isso, Senhor? respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também os abutres.


    Estes versículos nos falam de quanto a alma será salva ou perdida. Os versículos 34-35 dizem: digo-vos que, naquela noite, dois estarão numa cama; um será deixado, e deixado outro; duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e deixada a outra. Essas palavras se referem ao tempo do arrebatamento. A diferença é que um será arrebatado e o outro deixado. A palavra tomada significa ser arrebatado para o céu (Gn 5.24); portanto, o que é falado no versículo 33 quem quiser preservar a sua vida perdê-la-á; e quem a perder de fato a salvará significa que todo aquele que poupar sua alma nesta era será deixado para trás na vinda do filho do homem; todo aquele que perder sua alma nesta era será arrebatado na aparição do filho do homem. Não há diferenças entre as duas pessoas, tampouco há diferença no trabalho delas ou no lugar em que estão. mas quanto ao arrebatamento, há uma diferença! Em um instante, haverá uma tremenda diferença!


    Esse é um assunto muito solene! Se queremos ser arrebatados, ver o Senhor e entrar no reino, devemos primeiro perder a alma nesta era. Devemos esquecer o mundo por causa do Senhor e esquecer tudo que não estiver de acordo com a vontade do Senhor; devemos abandonar tudo que nos enreda e impede nosso coração de ir para cima. Se queremos salvar nossa alma e não podemos suportar o fato de abandonar tudo, como a mulher de Ló, não seremos capazes de chegar ao lugar onde o Senhor irá nos arrebatar, mesmo que não pereçamos em Sodoma e Gomorra junto com os pecadores. Pode não haver nenhuma diferença entre ganhar salvação e receber a vida eterna, mas haverá uma diferença quanto a questão do arrebatamento.

    LUCAS 12.15-21


    Qual é o significado de perder a alma? Podemos encontrar a explicação em Lucas 12. 15-21; Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E Lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. E arrazoava consigo mesmo, dizendo: que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? e disse; Farei isso: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. então direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come,bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim, é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus. Podemos dizer que ganhar a alma é deixar a alma ganhar satisfação e felicidade, deixá-la desfrutar, enquanto perder a alma é deixar a alma triste, dolorosa e pobre. por causa da abundância de seus alimentos e de seus bens, a alma desse homem rico já estava feliz e satisfeita nessa era. ele já havia dado desfrute para sua alma; ele já havia ganho sua alma nessa era.


    Portanto, ganhar a alma é deixá-la ser feliz nesta era, e perder a alma é não deixar nada para a alma nesta era. Nossos olhos vêem, nossos ouvidos ouvem e nossas mãos e pés tocam; mas quem tem consciência da felicidade neles é a alma.


    A alma é o trono de nossos desejos naturais. Ela faz com que tenhamos sentimentos e desfrute. Os desejos da alma têm um forte apelo por satisfação. Música agradável pode acalmar as emoções; literatura e filosofia podem elevar os pensamentos. Mas se ganhamos satisfação dessas coisas nessa era, perderemos a satisfação na era vindoura. Se já ganhamos o consolo dado por essas coisas nesta era, perderemos a glória do reino na era vindoura.


    Portanto, aquele que salva sua alma nesta era é um cristão que ganhou, nesta era, o desfrute dos ouvidos e dos olhos e a alegria do coração e da mente; na era vindoura ele perderá tal desfrute e alegria. Todo aquele que ganha o que pertence à esta era, não ganhará o que pertence á era vindoura. Se um homem sofre perda nesta era, ele ganhará na era vindoura. Devemos agora entender o significado de salvação da alma. Ganhar toda a glória, alegria e satisfação no reino é ganhar a alma; perder tudo isso no reino é perder a alma.


    Depois que fomos salvos, não podemos perder a salvação. mas nossos atos têm muito que ver com nossa posição no reino. Que está você buscando agora? É muito difícil aos jovens deixar os prazeres do mundo. Muitos querem ter satisfação com casa, comida, roupas e diversão. Isso é salvar sua alma hoje; portanto, eles certamente perderão sua alma no futuro. Uma pessoa salva não irá para o inferno, mas no reino há bênçãos que ela perderá!


    O Senhor não nos ensina ascetismo. Entretanto, Ele não quer que sejamos atraídos por essas coisas. Essas coisas são todas legítimas, mas nem todas as coisas legítimas são convenientes. Portanto, Paulo diz: Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convém; todas são lícitas, mas nem todas edificam (1º Cor. 10.23). Seja um assunto de roupas, comida ou casa, você não deveria ter a consciência de que você está desfrutando-as. Antes, você deveria perceber que essas coisas são boas apenas para glorificar a Deus. Sempre que você tem algum desfrute, há um problema. Tudo que dá desfrute para sua alma poupa-a. O importante é que não se desfrute qualquer tipo de alegria inadequada.


    Quem ama o mundo poupa sua alma. porém, o pecado entrou no mundo. Você não deveria, portanto, ganhar nada desse mundo pecaminoso.


    Capítulo 2

    Alguns pensam que quando estão em dificuldade ou em necessidade, eles estão tomando a cruz. Na verdade, não é assim, porque mesmo que eles não fossem crentes, situações como essas certamente lhes ocorreriam.?

    Mateus 10.34-39

    O Versículo 34 diz: Não penseis que vim trazer paz a terra; não vim trazer paz, mas espada. Porque o Senhor disse isso? Por que as pessoas tinham o conceito de que Ele veio trazer paz para a terra. Para anular esse conceito, Ele lhes disse claramente: Não vim trazer paz. Mais adiante vemos que paz aqui se refere não à ausência de guerra, mas a uma situação de família.


    Não vim trazer paz, mas espada. Espada aqui não significa uma espada usada em combate; tampouco se refere a causar guerras na terra. No texto original, significa lançar uma espada à terra. Muitos reconhecem esse fato. Em Lucas 2.35, Simeão disse a Maria: também uma espada traspassará a tua própria alma. A palavra espada aqui significa que não seremos sempre felizes durante nossa vida e que algo como uma espada traspassará nosso coração e nos fará sofrer. O que o Senhor queria dizer é que Ele veio não para nos abençoar, mas para nos causar dor.


    O versículo 35 diz: Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Esse versículo começa com a palavra pois. Isso indica que ele explica o versículo anterior, isto é, explica o que significa trazer espada. No começo havia um doce relacionamento entre o pai e o filho; agora, há alienação. A filha é contra a mãe e a nora é contra a sogra.


    O versículo 36 diz: ?Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa?. Há inimigos e há amargura. Os amados na própria família voltaram-se contra ele e o feriram. Na família há inimizade e maldade.


    O versículo 37 diz: Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim. Não é digno é mencionado duas vezes nesse versículo. Você alguma vez já pensou por que deveria amar o Senhor mais que a seus pais e filhos? Se você amar uma pessoa neste mundo mais que o Senhor, você não pode ser Seu discípulo. Você somente pode ser Seu discípulo se O amar totalmente. Essa é a condição para se tornar discípulo do Senhor. Você não pode amar da mesma maneira o Senhor e os homens ao mesmo tempo; isso é impossível.


    O versículo 38 diz: E quem não toma a sua cruz e vem após mim. Esse versículo resume o que foi dito anteriormente __ isso é cruz! Que é tomar a cruz? O Senhor não disse, quem não toma o seu fardo e vem após mim. Ele disse: quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim. Um fardo não é uma cruz. Fardos são inevitáveis; tomar a cruz é algo opcional.


    Como foi a primeira, serão as centenas e milhares de cruzes seguintes. Assim como a primeira cruz foi uma escolha do Senhor, as cruzes devem ser algo que nós escolhemos.


    Alguns pensam que quando estão em dificuldades ou em necessidade, eles estão tomando a cruz. Na verdade, não é assim, porque mesmo que eles não fossem crentes, situações como essas certamente lhes ocorreriam. Toda cruz ser de nossa própria escolha. Contudo, devemos ser cuidadosos a fim de não criar cruzes para nós mesmos. Devemos tomar a cruz, não fabricar uma cruz.


    É uma falácia considerar uma cruz tudo o que nos sobrevém. É verdadeiramente errado criar uma cruz a fim de produzir nosso próprio sofrimento. Nenhum de nós está de fato carregando uma cruz.


    Então que é a cruz? Ela deve corresponder ao que o Senhor Jesus disse: Meu Pai (...) faça-se a tua vontade (Mt. 26.42). O Senhor pediu ao Pai para não fazer segundo a vontade do Filho, mas segundo do Pai; isso é a cruz. Tomar a cruz é escolher a vontade do Pai. Deixe me falar uma palavra franca: se não escolhermos a cruz diariamente, não haverá cruz para tomarmos. Se o Senhor fosse esperar que a cruz viesse até Ele, para que pudesse tomá-la, como é que uma cruz poderia ir até Ele no céu? O Senhor escolheu a cruz! Ele a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz (Fp.2.7-8). O Senhor disse: Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para entregar e também para reavê-la (Jo10.18). Igualmente, nossa cruz também deve ser de nossa própria escolha.


    Quanto às necessidades da vida, também temos uma escolha. Podemos escolher o que vestir o que comer, e como morar. Entretanto, devemos buscar essas coisas somente para suprir nossas necessidades materiais. Se nossa emoção espera tirar prazer e satisfação dessas necessidades, não estamos tomando a cruz. Não podemos impor aos outros o tipo de roupa que devem usar, o tipo de comida que devemos comer ou o tipo de casa em que devem morar. Contudo, aquele que deseja satisfação por meio dessas coisas não está levando a cruz. Ninguém ouse dizer o que se deve ou não usar, mas todos devem perguntar-se se sua roupa, comida e moradia estão, de fato, dando prazer e satisfação à sua alma.


    Tudo que for para suprimento de nossas necessidades, Deus sanciona. Vestes, comida e moradia são todos necessários. Até mesmo o Antigo Testamento nos mostra como Deus proveu os filhos de Israel. Ele se preocupava com suas necessidades, mas nunca desejou que seus filhos fossem indulgentes consigo mesmos em relação a essas coisas. Se formos indulgentes com nós mesmos com relação ao vestir, comer e morar, não estaremos tomando a cruz.


    Muito freqüentemente as pessoas se vestem e se alimentam não para proteger seu corpo ou para matar sua fome, mas para sua satisfação. É claro que nossas necessidades físicas precisam ser satisfeitas. Mas não devemos recompensar em nada nossa emoção e suas exigências.


    Será que Deus realmente interfere no vestir, comer, morar e tudo relacionado às pessoas? Sim. E isso é a cruz. Vejamos um exemplo. Quando Adão estava no jardim do Éden, tudo que ele precisava lhe era suprido. Ele podia comer livremente de todas as árvores, com exceção de uma, isto é, da árvore do conhecimento do bem e do mal. Se alguém comesse daquela árvore, não porque quisesse suprir suas necessidades, mas porque os frutos eram agradáveis á vista, bons para comer e capacitavam a pessoa a conhecer o bem e o mal, isso seria concupiscência. Deus permite tudo aquilo que está nos limites das necessidades do viver humano e nada mais. Vestir, comer, morar e coisas do mundo como essas devem ter o propósito de suprir nossas necessidades, não de recompensar nossa concupiscência! Quanto a essas coisas, deveríamos viver absolutamente segundo a vontade de Deus. Se não o fazemos segundo a vontade de Deus, podemos estar maltratando nosso próprio corpo segundo a vontade própria de nossa carne, e, poderemos nos considerar mais santos que os outros, quando, na verdade, estaremos praticando a doutrina do ascetismo mencionada em Colossenses 2, que não tem valor algum contra a sensualidade (v 23). Ao mesmo tempo, devemos nos lembrar de que Deus não nos permitiu ser indulgentes com nós mesmos em relação às coisas deste mundo.
    O versículo 39 diz: Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la-á. Esse versículo conclui esta porção da palavra. Que é tomar a cruz É perder a vida da alma por causa do Senhor e estar em tristeza e aflição por causa Dele. Aqueles que se recusam a estar pesarosos e não se restringem suas emoções, escolhendo em vez disso recompensar sua alma, perderão sua vida da alma. Perder a vida da alma por causa do Senhor é negar à alma sua satisfação, exigências e desejos, Se, por causa do Senhor, escolhermos não buscar as coisas que naturalmente desfrutamos e as que desejamos ardentemente, estaremos perdendo nossa vida da alma por causa do Senhor.


    O significado de ganhar a vida da alma hoje deve ser o mesmo que ganhar a vida da alma na era vindoura. Igualmente, perder a vida da alma hoje deve ser o mesmo que perdê-la na era vindoura. O significado de ambos os casos deve ser o mesmo.


    Perder a vida da alma por causa do Senhor significa não permitir que a alma tenha satisfação e desfrute nesta era. Perder a vida da alma na era vindoura significa que nossa alma não encontrará satisfação e desfrute no reino. Naquele dia, haverá um tipo de pessoa cuja vida da alma será satisfeita, e outro, cuja vida da alma não será satisfeita. Todo aquele que satisfez sua vida da alma nesta era e teve tudo conforme sua vontade, e desfrutado muitíssimas coisas, não achará coisa alguma no reino vindouro. Todo aquele que vence o mundo definitivamente terá satisfação no reino.


    A salvação do espírito foi determinada quando cremos no Senhor. A salvação da alma é determinada pela maneira como andamos nesta era. Se você se veste, come, faz amigos e tudo mais da maneira que gosta, eu lhe digo pela autoridade do Senhor que você partilhará da glória do reino. O Evangelho de Lucas diz: Bem aventurados vós, os que agora tendes fome (...) Aí de vós, os que agora estais fartos (Lc 6.21,25). Por que ai dos que estão fartos? Porque eles já estão fartos. Por que bem- aventurados os que têm fome? Porque eles serão fartos na era vindoura. Essa é a diferença entre o ai e a bem-aventurança.

    Lucas 14.25-35

    O versículo 25 diz: ?Grandes multidões o acompanhavam, e ele, voltando-se, lhes disse. Por que havia grande multidão com Jesus? Porque Ele havia pregado o evangelho por meio de uma parábola (VS.16-24). E, assim como na parábola, muitos foram convidados, e todos que queriam comer vieram. Os muitos são os cristãos. É uma alegria ser salvo, e é maravilhoso continuar no desfrute da graça de Deus. Mas para as pessoas que estavam com ele, o Senhor se voltou e lhes deu uma palavra adicional. Ele queria dizer: Sim, vocês, são salvos, mas para Me seguir há uma condição. O Senhor elevou o padrão da verdade. Até mesmo tal multidão imensa não era motivo suficiente para Ele baixar o padrão que Deus estabelecera. Portanto, embora as verdades sobre o reino e a realeza sejam elevadas, não deveríamos deixar de falá-las por causa dos homens.


    A porta que abre a salvação pela fé em Jesus é ampla, mas a porta que se abre para seguirmos o Senhor e sermos glorificados com Ele é estreita. O que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora (Jo 6.37b). Isso é ser salvo. Contudo, para seguir o Senhor e ser Seu discípulo há certas condições.


    O versículo 26 diz: Se alguém vem a mim, e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. O Senhor Trouxe novamente a questão da vida da alma. Primeiro Ele mencionou pai, mãe, esposa, filhos, irmãos e irmãs. Por fim, Ele mencionou a vida da alma. Se os homens tão somente não valorizassem sua vida da alma, tudo estaria bem. Deveríamos deixar de lado tudo que traz prazer e gozo para nossa vida da alma.


    O Senhor não disse que você deveria jogar fora seu pai, mãe, esposa, filhos, irmãos e irmãs; em vez disso, Ele disse para jogar fora sua vida natural, isto é, canalizar para Ele todo o amor que você tem por aquelas pessoas. Isso é absolutamente necessário. O Senhor coloca especificamente esse obstáculo enorme diante de todos aqueles que o seguem. Se eles forem capazes de passar por ele, poderão passar por qualquer coisa no futuro. O Senhor não os esperava vir pela porta antes de colocar os obstáculos diante deles; Ele dificulta desde o começo. Eles são qualificados para serem Seus discípulos somente se passarem.


    Depois que o Senhor salva uma pessoa, Ele coloca Sua condição já à porta. Ele não dá Suas condições somente depois de três a cinco anos que ele se tornou cristã. Se alguém poderá ou não ser Seu discípulo será determinado desde o começo.


    O versículo 27 diz: E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo. Esse versículo explica os versículos anteriores que falam de levar a cruz.


    A seguir, o Senhor fala três parábolas, que explicam a questão de levar a cruz.

    A. A parábola da construção de uma torre - vs. 28-30


    O versículo 28 diz: pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para concluí-la? Quando o Senhor falou de calcular a despesa, não entendemos que deveríamos esquecer-nos dessa torre se não temos o dinheiro para construí-la? Se é esse o caso, isso não significaria que Ele não chamou muitos para segui-Lo? Se eles não têm fundos suficientes, não quer dizer que eles deveriam desistir de construir a torre? Não, eles não deveriam desistir, pois se cada um colocar cada centavo que tem, seria suficiente e ninguém ousaria dizer que não tem o suficiente. O que o Senhor estava dizendo é que, quando alguém quer construir uma torre, questiona-se se ele está disposto ou não a colocar todo seu dinheiro na construção. Por exemplo, se são necessários quinhentos dólares para construir uma torre, mas a pessoa está disposta a colocar somente trezentos dólares, guardando os duzentos restantes, não se pode dizer que seus recursos são inadequados. São inadequados somente porque parte do seu dinheiro é guardada para outro uso. Se alguém guarda parte de seu amor pelos outros, ele não será capaz de amar a Cristo. Ele deve aborrecer seu pai, mãe, esposa, filhos irmãos e irmãs e deve voltar seu coração dessas pessoas para o Senhor. O Senhor não pergunta quanto você deu a Ele; Ele quer saber se você Lhe deu tudo.


    Os versículos 20-30 dizem: para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não podendo acabar, todos os que virem zombem dele, dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar. Esse é o fim daquele que não amar totalmente ao Senhor. Ele pode apenas lançar um fundamento sem construir a torre, porque está retendo algo do Senhor.

    B. A parábola da guerra- vs. 31-32

    O versículo 31 diz: Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil. Isso não significa que os dez mil soldados sejam tudo o que o rei tinha; significa que somente dez mil são mobilizados. Se ele estiver disposto a enviar toda a nação, ele certamente vencerá.


    O versículo 32 diz: Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz. Isso significa que se ele não está disposto a mobilizar toda a força, ser-lhe-ia melhor pedir condições de paz enquanto ainda há tempo, e reconhecer a derrota.


    Se todos estiverem dispostos a dar seu tudo, seja para construir uma torre, seja para combater, será suficiente; se todos guardarem uma parte para si, haverá falta. Suponha que eu vá à Sociedade Bíblica com trinta reais. Se eu quiser pagar vinte e nove reais e guardar um real comigo, ainda será inadequado. Todo aquele que não tomar sua cruz e seguir o Senhor certamente não será digno de ser e não será Seu discípulo.


    Todo aquele que ama um pouco o mundo não está apto para o reino. Mesmo aqueles cujas mãos estão no arado não estão aptos para o reino se olharem para trás.


    Não se trata de sermos suficientes, mas de darmos ou não insuficientes, mas de darmos ou não nosso tudo. Isso é a cruz. Devemos levar a cruz. Devemos colocar tudo que é nosso na cruz. Alguns podem perguntar: como você sabe que essa parábola nos ensina a colocar tudo que é nosso na cruz? Sabemos pela própria palavra do Senhor no versículo seguinte.


    O versículo 33 diz: Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo. Esse versículo é uma continuação do anterior. O Senhor que o problema com os dois casos citados não era que eles não tinham, mas era que eles não quiseram renunciar a tudo que tinham. Muitas vezes não conseguimos tomar uma decisão firme; desejamos as duas coisas. Por um lado, amamos o mundo; por outro, amamos o Senhor. Não podemos entregar-nos para amar totalmente ao Senhor, e também temos vergonha de amar totalmente o mundo com medo de ofender o Senhor. Há a indisposição de entregar tudo para a construção, e também há o receio de não colocar pelo menos alguma quantia. O resultado disso é lançar um pouco da fundação e deixar a torre inacabada. Se não houver a disposição de mobilizar todo o contingente, o que se pode fazer é deixar parte dele e esperar a derrota ou enviar alguém para negociar a paz. Os que são assim não deveriam nem mesmo considerar-se discípulos do Senhor. Para ser Seu discípulo, deve-se renunciar a tudo que se tem. Não se pode segurar o mundo com uma mão e o Senhor com a outra. Deve-se abandonar um deles - ou o mundo ou cristo.

    C. a Parábola do sal vs. 34-35

    Esta parábola nos mostra o resultado dos dois tipos de pessoas anteriormente mencionados. De acordo com Mateus 5.13, que diz; vós sois o sal da terra, sal se refere ao cristão.


    O Versículo 34 diz: O sal é certamente bom; caso, porém, se torne insípido, como restaurar-lhe o sabor? O sal é bom e benéfico ao ser humano. Sabor significa separação. É de suma importância que o cristão seja separado dos demais. Se o sal se torna insípido, nada restaurará seu sabor. Suponha que alguém tenha um pedaço de carne e queira temperá-lo com sal. Se ele tem a carne e não tem o sal, ainda há a possibilidade de se ter sabor, mas se ele tem ambos, a carne e o sal, e o sal perdeu seu sabor, não é possível ter o sabor.


    O versículo 35 diz: Nem presta para a terra, nem mesmo para o monturo; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir ouça. Se perder-mos nosso sabor, isto é, se não formos separados, a conseqüência será o que está neste versículo; seremos lançados fora.


    A terra representa o reino. Não é adequado colocar no reino um cristão que perdeu o sabor.
    O monturo é um lugar sujo e impuro; ele representa a Geena, que é o lago de fogo. Tampouco é adequado colocar um cristão que perdeu o sabor no lago de fogo, porque ele já está salvo.


    Lançam-no fora. Uma vez que não é adequado para o reino nem para o lago de fogo, ele é lançado fora, isto é, lançado para fora da glória do reino.


    Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. Isso é uma advertência. Tudo que nos separa de Cristo Também faz com que percamos o sabor. Preservar o sabor é ter força; perder o sabor é perder a força. Isso é algo sério! Não devemos amar o mundo; devemos amar totalmente o Senhor. De outra maneira, o reino não terá nada que ver conosco. Não se trata do quanto fizemos. Em vez disso, será que tudo que é nosso está no altar? Hoje é o tempo de nos consagrarmos ao Senhor; consagrar-nos naquele dia será muito tarde.


    Essas três parábolas retratam a vida de um crente que está disposto a perder sua vida da alma nesta era. A razão de sua indisposição de dar tudo para edificação, de não mobilizar toda a nação para o combate e de ele ter se tornado um sal sem sabor, como conseqüência de estar misturado com o mundo, é que ele ama a própria vida da alma. Ele não agüenta que seu ego sofra. Ele não está disposto a abandonar os prazeres do mundo. Ele se importa somente com o presente, porque tem somente uma pequenina visão da glória do reino vindouro. Se estivermos disposto a renunciar às exigências de nossa alma, negar o ego, tomar a cruz e fazer a vontade de Deus, não nos será difícil edificar, combater, ou aborrecer nosso pai, mãe, filhos, irmãos e irmãs. Não será difícil nem mesmo ser completamente separado do mundo e ser um sal com sabor. Se não perdermos nossa vida da alma, mas andarmos segundo nossos gostos e preferências nesta era, se nossa consagração não for total, seremos lançados fora durante a era do reino e sofreremos a pena de não ter recebido adequadamente a disciplina do Senhor.

    Capítulo 3

    Perseverar não é crer; é uma obra. Assim, a salvação da alma muito diferente de se receber a vida eterna.

    Lucas 21.5-19


    Lendo os versículos 5 a 19, vemos que essa porção da palavra também fala da salvação da alma. É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma (v.19). A Bíblia sempre menciona a fé quando fala da nossa salvação. Contudo, ela diz que é na nossa perseverança que ganharemos nossa alma. Portanto, deve haver uma diferença entre a salvação da alma e a salvação do espírito.


    Também, o evangelho de João menciona a questão de se receber a vida eterna pela fé umas trinta e cinco vezes. Em todo o novo testamento, a justificação pela fé, receber a vida eterna pela fé, e a salvação pela fé são mencionados cento e cinqüenta vezes. Aqui, entretanto, é mencionada a perseverança. Perseverar não é crer; é uma obra. Assim, a salvação da alma é muito diferente de se receber a vida eterna.


    Vejamos como esses versículos falam da salvação da alma. Os versículos 5-7 dizem: Falavam alguns a respeito do templo, como estava ornado de belas pedras e de dádivas; então, disse Jesus: Vedes essas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada. Perguntaram-lhe: Mestre, quando sucederá isso? E que sinal haverá de quando estas coisas estiverem para se cumprir? O templo é o templo sagrado em Jerusalém. Ao falar: Vedes?, o Senhor se dirigia aos discípulos. Essas coisas se referem ao que o Senhor Jesus disse no versículo 6: Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada. Isso significa a destruição que havia de vir sobre o templo. Prestemos atenção ao versículo 7. As perguntas feitas são muito parecidas com as do capítulo 24 de Mateus.


    Mateus 24.3 diz: No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século? O evangelho de Mateus preocupa-se não só com a destruição de Jerusalém, mas também com a vinda do Senhor e a consumação desta era. Lucas 21 não preocupa-se apenas com a destruição de Jerusalém. Em Lucas os discípulos perguntaram quando essas coisas (a destruição de Jerusalém) iriam ocorrer e que sinal haveria antes que elas ocorressem. Eles não perguntaram nada sobre a volta do Senhor ou sobre a consumação desta era. Devemos lembrar que três coisas foram perguntadas em Mateus. A primeira foi: quando sucederão essas coisas? A segunda e a terceira foram: que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século? Em Lucas foi perguntada somente uma coisa, ou seja, quando ocorreriam essas coisas e que sinal haveria antes que ocorressem? As perguntas registradas em Lucas são idênticas à primeira pergunta em Mateus.


    A destruição em Jerusalém ocorreu no ano 70 dC. A palavra do Senhor sobre não restar pedra sobre pedra foi cumprida.


    Os versículos 8-9 de Lucas dizem: Vede que não sejais enganados; porque muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu! E também: Chegou a hora! Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não vos assusteis; pois é necessário que primeiro aconteçam estas coisas, mas o fim não será logo. Foi isso que o Senhor instruiu aos discípulos que observassem, quando Jerusalém fosse destruída. A história da igreja pode atestar o fato de que quando o Senhor ascendeu, alguns vieram em Seu nome dizendo: Eu sou o Cristo. O Senhor queria dizer que quando viessem alguns dizendo ser o Cristo e quando os discípulos ouvissem falar de guerras e revoluções, eles deveriam perceber que o fim estava próximo.


    Os versículos 10-12 dizem: levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino; haverá grandes terremotos, epidemias e fome em vários lugares, coisas espantosas e também grandes sinais no céu. Antes, porém, de todas essas coisas, lançarão mãos de vós e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome. Tudo isso foi cumprido durante a era dos apóstolos. Eles foram detidos, perseguidos, açoitados e encarcerados, e foram levados diante de reis e governadores.


    O versículo 13 diz; E isso vos acontecerá para que deis testemunho. Eles sofreram muito, mas esses sofrimentos foram oportunidades para testemunharem. Eles testemunharam nas sinagogas, diante de Felix e dos de Roma.


    Os versículos 14-18 dizem: Assentai, pois, em vosso coração de não vos preocupardes com o que haveis de responder; porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir, nem contradizer todos quantos se vos opuserem. E sereis entregues até por vossos pais, irmãos, parentes e amigos; e matarão alguns dentre vós. De todos sereis odiados por causa do meu nome. Contudo, não se perderá um só fio de vossa cabeça. Aqui, o Senhor profetizou sobre o que eles haveriam de experimentar.
    O versículo 19 diz: É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma. Essa questão é responsabilidade dos discípulos. Quando vierem todos esses sofrimento e perseguições, eles devem perseverar; assim ganharão sua alma.


    Ganhar alma é reinar com o Senhor e compartilhar Sua glória quando Ele vier. Se ganhar alma for o mesmo que receber a vida eterna, então as palavras ganhareis a vossa alma no versículo 19 não tem sentido. Ele diz que, se em meios a tremendos sofrimentos formos capazes de perseverar, ganharemos nossa alma. Pela fé temos a vida eterna e somos salvos. Mas aqui é-nos dito que para ganhar nossa alma precisamos permanecer firmes em todos os sofrimentos.

    João 12.25


    Quem ama sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna?. O senhor diz aqui que é possível perder a vida da alma. Perde-se a vida da alma por amá-la.


    Que é amar a vida da alma? É satisfazer nossos desejos e agradar nossas emoções. Por exemplo, o Senhor nos chama para nos afastarmos de determinadas coisa; se quisermos obedecê-Lo, temos de derrubar nosso ego. Cada vez que queremos obedecer o Senhor, temos de derrubar nosso ego. Se buscamos fazer Sua vontade, amando ainda nossa vida da alma, certamente iremos fracassar. Talvez o Senhor queira que deixemos algo que gostamos de fazer ou desistamos de uma pessoa ou de um objeto que gostamos. Se amamos nossa vida da alma, não conseguiremos. Muitas vezes somos enredados por uma pessoa, uma coisa ou um assunto. Muitos são envolvidos por amigos; eles preferem manter os amigos do que perder o desfrute almático desta era.


    Reconhecemos que muitas coisas más são pecado. Contudo, não percebemos que também podemos se enredados pelas coisas que normalmente desfrutamos. Estamos cientes de que o dinheiro é algo muito vil e desprezível para ser mencionado, mas muitos não conseguem livrar-se dele. Até mesmo uma roupa ou uma refeição pode enlaçar uma pessoa. Por que é tão difícil para o homem não amar sua vida da alma? Porque não amar a vida da alma significa fazê-la sofrer, ao passo que amá-la é não deixá-la sofrer. Tal pessoa, entretanto, sem dúvida perderá sua vida da alma, porque já cuidou dela e deu-lhe desfrute!


    Quando se perderá a vida da alma? Quando o Senhor estabelecer seu reino. Todo aquele que ama sua vida da alma nesta era não desfrutará da glória nem reinará com o Senhor naquela ocasião. Ter a vida eterna pela fé é algo garantido; ir para o céu é garantido. Mas governar como rei e garantir que a vida da alma achará gozo no milênio exigem que não amemos nossa vida da alma hoje.


    Irmãos e irmãs, já dissemos anteriormente e voltamos a repetir: Deus permite que os pecadores escolham entre o céu e o inferno. Se um pecador puder ver claramente, não há dúvida de que ele escolherá o céu. Agora, Deus permite ao cristão que escolha entre o reino e o mundo. Nós escolheremos o reino ou escolheremos o mundo? É uma lástima que embora um pecador prefira o céu, muitos cristãos preferem o mundo! Pensamos que é suficiente bom sermos salvos, todavia, depois de sermos salvos, deus põe diante de nós o reino vindouro para que escolhamos.


    Os que estão plenos agora não serão preenchidos na glória; eles perderão seu desfrute. O Senhor disse que todo aquele que amar a si mesmo perderá sua vida da alma; todo aquele que odeia sua vida da alma neste mundo preservá-la-á para a vida eterna. Nossa alma está vinculada ao mundo. Amar a alma neste mundo é cuidar de nós mesmo neste mundo. Comidas finas, roupas bonitas, amigos, alegrias, elogios, fama tudo isso é desejável. Contudo, isso alimenta a vida da alma como a comida nos alimenta. Alimentar a vida da alma agora significa perdê-la no reino.


    Perder a vida da alma não significa ser lançado no inferno. É fazer com que a alma sofra por não poder reinar com o Senhor. Na era do reino, o Senhor dará dez ou cinco cidades para que reinemos sobre elas. Segundo os profetas do Antigo Testamento, esse será um tempo muito agradável. Que agradável será reinar sobre dez ou cinco cidades sob tal atmosfera! Contudo, todo aquele que ganhou sua vida da alma neste mundo perdê-la-á no reino. Isso é sério! Todo aquele que agora está pleno e que satisfez sua vida da alma nesta era, nada ganhará no reino. Eu disse isso muitas vezes, e continuarei dizendo: odiar a vida da alma neste mundo é não permitir que ela tenha satisfação e desfrute nesta era. É voltar as costas para o mundo e o rosto para Deus, e estar armado com uma disposição para sofrer, qualquer que seja a situação. Se alguém desejar isso, ganhará sua vida da alma no reino. Se você ganha algo aqui, perderá algo lá. Ou você ganha, ou perde. Ganhar hoje é perder no futuro. Para ganhar no futuro, você precisa perder hoje.


    Uma vez que uma pessoa creia, é definitivo que ela tem a vida eterna, e é definitivo que todo crente estará na Nova Jerusalém. Mas antes que passem o céu e a terra, alguns crentes não terão participação no reino. Quem odeia sua vida da alma neste mundo, preservá-la-á para a vida eterna. Portanto, por favor, preste atenção a isso: O Senhor odeia duas coisas: Primeiro, Ele odeia nossos pecados; segundo, Ele odeia nossa vida da alma, que é nosso ego. Por odiar nossos pecados, Ele morreu por nós. Crendo Nele, recebemos vida eterna. Por odiar nossa vida da alma, o Senhor quer que nos livremos dela (ou seja, que eliminemos a vida almática, não a função da alma).


    Eis aqui a diferença entre a vida da alma e os pecados: tudo o que a alma deseja pode não ser pecaminoso. Mentira, orgulho, ciúmes, etc., são pecados, mas vestir e comer o que não convém é a vida da alma. Roupas de luxo, comidas finas e gastos extravagantes não podem ser considerados pecado, mas certamente dão prazer á alma.


    Madame Guyon foi uma pessoa muito profunda no Senhor no século dezessete. Ela percebeu claramente a diferença entre pecados e a vida da alma. Ela não expressou isso da mesma maneira que nós, mas suas experiências demonstraram o mesmo. Ela nasceu e foi criada na França; sua família era relacionada à nobreza, e ela tinha o título de Madame. Cada vez que visitava Paris, ela temia, porque sabia muito bem que seu coração seria pelas coisas que veria. Mais tarde, ela venceu isso. Contudo, ela passou outra coisa: olhar-se no espelho. Ela muito atraente; quanto mais ela se olhava no espelho, mais consciência tinha de sua beleza. Ela pensava que até mesmo em seu andar ela era mais graciosa que as outras mulheres. Isso é a vida da alma. A alma é o homem natural, isto é, a natureza que ele tem como criatura.


    Se uma pessoa crê no Senhor e vence o pecado, ela pode entrar no céu. Mas aniquila a vida da alma e a vence ela pode entrar no reino. A razão de Deus não permitir que não sejamos indulgentes conosco mesmo no vestir, comer e morar nesta era é que essas coisas já foram contaminadas pelo mundo. Possuir essas coisas é ser contaminado pelo mundo. Hoje mesmo uma roupa ou uma refeição podem fazer com que caiamos rapidamente no mundo. Contudo, quando estivermos no reino, a despeito de quanto apreciamos a beleza da paisagem, isso fará apenas com que louvemos ainda mais a criação de Deus. Até mesmo a apreciação de nós mesmos naquele tempo somente fará com que louvemos a Deus por sua Salvação. No reino não haverá vestígio de pecado, porque Satanás será preso e não haverá pecado no mundo na era do reino.


    Quando o filho de Deus estava na terra, a única coisa que Ele tomou foi a cruz; todas as demais coisas Ele tomou emprestadoo. A manjedoura foi emprestada; a estrebaria foi emprestada; o jumento que O carregou para Jerusalém foi emprestado; o salão onde Ele e os discípulos celebraram a páscoa foi emprestado. Por fim, até mesmo Seu túmulo foi emprestado. Ele nada tinha que não fosse emprestado. Como somos diferentes Dele!


    Os que vencem os pecados vão para o céu; os que vencem o mundo vão para o reino. Isso está garantido. Deus está chamando-nos para uma coisa não amar o mundo e desejar somente o reino. Ele deseja que odiemos nosso ego e busquemos o reino.

    Hebreus 10.38-39


    O versículo 38 diz: Todavia, o meu justo viverá pela fé. Os justos aqui somos nós que fomos salvos pela fé em Jesus. O justo viver pela fé significa que os que são salvos viverão cada dia pela fé. Muitos me perguntaram: Se justificação é pela fé, e os justificados ainda têm de viver pela fé, haverá então duas fés? Bem, falaremos mais tarde da segunda fé. Por enquanto, lembre-se apenas de que toda pessoa justificada deve viver pela fé.


    E: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma. Essa frase se refere ao justo: Se retroceder. Somente um crente tem a possibilidade de retroceder. Embora uma pessoa justificada seja salva, ainda é possível que ela retroceda. "Minha" se refere a Deus. Deus não tem prazer em uma pessoa justificada que retrocede.
    O versículo 39 diz: Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a salvação da alma. Que ocorre quando alguém retrocede? Ele retrocede para a ruína. Os crentes têm vida eterna e não pode perecer. Entretanto, ainda é possível retrocedermos para a perdição. Que é perdição? Significa que tudo se tornou vazio, destruído e acabado. Nós somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma. Aqui, novamente, a palavra fala da salvação da alma. Retroceder é retroceder para a ruína; prosseguir é seguir adiante para a salvação da alma. Ou nós (os crentes) retrocedemos ou avançamos para a salvação da alma.


    Alguns acham que como retroceder para a perdição soa tão negativo, essa passagem não deve referir-se aos cristãos. Contudo, somente um cristão tem a possibilidade de retroceder. Os pecadores não têm para onde retroceder. Para onde eles poderiam retroceder? Todo aquele que não crê no filho de Deus já está condenado por causa de seus pecados. Somente um cristão tem possibilidade de retroceder. Um crente deve, de fato, ser recompensado por suas obras na terra. Mas se retroceder, tudo se perde. Embora ele tenha pregado a palavra em nome do Senhor, expulsado demônios em nome do Senhor, e realizado muitos milagres, o Senhor não reconhecerá nada disso. Em vez disso, Ele dirá: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade (Mt 7.23).


    Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma. Aqui se fala da salvação da alma pela fé. Que fé é essa? Qual o significado da fé, para a conservação da alma? Leiamos Hebreus 11.1, ora, a fé é a substantificação de cousas que se esperam, a convicção de fatos que não se vêem (lit.). Essa é a fé para a salvação da alma. Essa é a fé pela qual os justos vivem. O capítulo 11 vem imediatamente após o último versículo do capítulo 10. Essa fé é a substantificação de coisas que se esperam; não é a fé em Jesus. A fé em Jesus pode salvar sua alma. Essa fé é a convicção de fatos que não se vêem; não é fé no Senhor Jesus Cristo. O evangelho de João menciona muitas vezes que recebemos a vida eterna crendo no filho. Essas passagens se referem à fé no Senhor. Aqui, fé se refere a uma coisa.


    Que coisa é essa? Leiamos hebreus 11.13-16 Todos estes morreram na fé, sem ter obtido as promessas; vendo-as, porém, de longe, e saudando-as e confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra. Porque os que falam desse modo manifestam estar procurando uma pátria. E, se, na verdade, se lembrassem daquela de onde saíram, teriam oportunidade de voltar. Mas, agora, aspiram uma pátria superior, isto é, celestial. Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus, porquanto lhes preparou uma cidade. Que diz essa passagem ser essa fé? É crer que Deus lhes preparou uma cidade no reino; é crer que eles são apenas estrangeiros e peregrinos nessa terra, que essa terra não é sua pátria, e que tudo que eles têm está no futuro e não na presente era. Uma cidade bem firmada não pode cair. Os justos crêem nisso diariamente e vivem por essa fé. A alma é salva por essa fé. Lamentavelmente, muitos crentes se esquecem que são meros estrangeiros na terra!

    Tiago 1.17-21


    Os versículos 17-18 dizem: toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança. Pois, segundo o seu querer, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas. O versículo 17 menciona o dom; o versículo 18 diz que Deus nos gerou pela palavra da verdade para que fôssemos como primícias de suas criaturas. Esses dois versículos caminham juntos. O versículo 17 diz que Deus deu um dom e o versículo 18 diz que esse dom é a vida eterna que Deus nos deu. Isso mostra que os que receberam essa epístola de Tiago já tinham o dom. Eles já eram primícias; eles já haviam sido gerados por Deus, pela palavra da verdade, e já eram salvos.


    Os versículos 19-21 dizem: Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não produz justiça de Deus. Portanto, despojando-vos de toda impureza e acúmulo de maldade, acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma. Tiago nos mostra claramente que, mesmo que um homem seja regenerado, sua alma ainda não está salva; ele ainda precisa receber a palavra que é poderosa para salvar sua alma. A salvação da alma é algo que vem depois da regeneração. Se uma pessoa não é regenerada, é impossível que sua alma seja salva. Deus pregou a palavra a nós, a qual é o evangelho do reino. Então, precisamos perder nossa vida da alma hoje. Há muitas coisas que nós mesmos somos incapazes de fazer. Contudo, se estamos dispostos a permitir que o Espírito Santo trabalhe em nós, Ele pode fazer essas coisas por nós. Ganhar alma é algo parecido com ganhar a vida eterna; se um pecador se recusa ser salvo, Deus não o porá no céu. Todo aquele que quiser, certamente beberá de graça da água da vida. Todavia, se ágüem não estiver disposto a ir ao Senhor, Ele não tem com salvá-lo. Da mesma maneira, se não estivermos dispostos a perder nossa vida da alma, o Senhor também não nos porá no reino. Devemos pedir ao Senhor que nos leve ao ponto de desejarmos perder nossa vida da alma; assim Ele pode ter caminho em nós.

    1º Pedro 1.3-9

    Os versículos 3-4 dizem: Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros. Esses dois versículos nos dizem que os destinatários desta epístola foram salvos.


    O versículo 5 diz: que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo. Que é essa fé revelada aqui? É a mesma pela qual os justos vivem em Hebreus 10.38. Embora sejam salvos, eles ainda não obtiveram a salvação que está preparada para revelar-se no último tempo. É bom ser regenerado, mas não é suficiente. Ainda precisamos ganhar a salvação que está preparada para ser revelada no último tempo.


    Os versículos 6-8 diz: Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que, uma vez confirmado o valor de vossa fé, muito mais preciosa que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória. Esses versículos dizem que, por causa da salvação vindoura, é possível regozijar-se, a despeito das várias provações.


    O versículo 9 diz: Obtendo o fim de vossa fé: a salvação da vossa alma. Esse versículo fala novamente da salvação da alma. Pedro também é alguém que diz que os que foram regenerados precisam de uma salvação posterior, a salvação da alma. Quando se receberá essa salvação? Ela será recebida no último tempo, que é o tempo da manifestação do Senhor na terra. O fim de toda pessoa salva é o mesmo, mas no reino há diferenças. É verdade que uma vez que cremos no Senhor, estamos salvos. Porém nossa alma também precisa ser salva.

    1º Pedro 2.11

    Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma. Quando as paixões fazem guerra contra a alma, a alma nada aproveita.

    1º Pedro 2.25


    Porque estáveis desgarrados como ovelhas; agora, porém, vos convertestes ao Pastor e Bispo de vossa alma. Lancemos mão deste versículo: Nós temos um Pastor que supervisiona nossa alma.
    Finalmente, quero mencionar mais duas passagens. Prestemos atenção a elas.

    1º Pedro 4.17-19

    Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? E, se é com dificuldade que o justo é salvo, onde vai comparecer o ímpio, sim, o Pecador? Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus encomendem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem. Apeguemo-nos à Palavra de Deus. Já somos a casa de Deus. Entretanto, o julgamento, o julgamento começa pela casa de Deus. Alguns dos justos são apenas salvos! Por isso, irmãos e irmãs, devemos sofrer segundo a vontade e encomendar nossa alma ao fiel Criador! Não devemos guardar nada para a vida da alma nem permitir que a vida da alma tenha desfrute. Antes, soframos segundo a vontade de Deus.

    2º Pedro 1.10-11


    Por isso, irmãos, procurai com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em tempo algum. Pois desta maneira é que será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo. O fato de eles terem sido chamados de irmãos mostra que eram salvos. Contudo, eles ainda necessitavam ser mais diligentes a fim de confirmar seu chamamento e eleição. A vida eterna, uma vez recebida, é inabalável. Mas quanto ao reino, alguns serão abalados.


    Façamos uma comparação entre duas frases { de 1º Pedro 4.18 e 2º Pedro1.11}: é com dificuldade que o justo é salvo e vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. O primeiro é meramente salvo e não avançou nada além da regeneração. É como se obter apenas a nota 5, quando o mínimo para passar é 5. Isso é meia salvação. Devemos ser alguém para quem a entrada no reino é rica e amplamente suprida.


    Há uma história que ilustra esse ponto. No fim da primeira guerra mundial, houve uma grande celebração em Londres. A empolgação era sem precedentes na história de Londres. A guerra havia terminado recentemente, e os soldados estavam fazendo um desfile de comemoração da vitória e eram recebidos pela multidão. À medida que os soldados passavam, as pessoas aclamavam e aplaudiam. Na mente de muitos, se não fosse pela coragem desses soldados, a Inglaterra não teria sido salva. O aplauso continuava enquanto os soldados passavam marchando. As unidades passavam, uma a uma, e, de repente, houve um grande aumento nos aplausos; de fato, muitos começaram a chorar. Os nobres saudaram e o rei até tirou sua coroa. Que estava acontecendo? Atrás vinha carros e carros de soldados com braços quebrados, pernas feridas, membros amputados, ou ferimentos graves. Eram os feridos em combate. Eles foram recebidos com maior honra e respeito. Os soldados que marchavam adiante deles venceram a guerra, mas, a glória que receberam não podia ser comparada à dos soldados feridos.


    Os que são meramente salvos entrarão no céu naquele dia, mas eles não terão uma entrada amplamente suprida para o reino de Deus. Se sofremos nesta terra e abandonamos coisas por causa do Senhor, naquele dia desfrutaremos o que esses soldados feridos desfrutaram em sua procissão triunfante. O aplauso será forte, o louvor será grande e a glória também será grande. Cada um de nós deve suportar a dor e sofrer perda por causa do Senhor. Naquele dia, receberemos uma coroa sobre nossa cabeça. Nossa alma precisa ser salva. Sejamos mais pobres, soframos mais e deixemos tudo por causa do Senhor. Que Deus nos abençoe.


    Autor: Watchman Nee